visitantes

domingo, 18 de dezembro de 2011

domingo, 11 de dezembro de 2011






A 1Feita de Fotografia Artística de Porto Alegre
de 04 a 20  de Dezembro 2011.
Atendimento Terça a Sexta das 11h às 19h, Sábados e Domingos das 11h. às 16h .
Horários diferenciados com hora marcada, informações > 32216730/ 9755.8191  galerialaphoto@gmail.com











terça-feira, 22 de novembro de 2011

domingo, 2 de outubro de 2011

TRIADE


Tríade mostra experimentos de cor e forma

Exposição que inaugura quarta, dia 05/10, na La Photo exibirá obras de Clara Serrano, Luzia Fabricio e Vitoria Davoglio
  
.
Tríade, em muitas culturas, significa auxílio mútuo, movimento e equilíbrio. Por isso dá nome à mostra que reúne o trabalho das três artistas e que registra o encontro e o diálogo que ocorre nos bastidores há cerca de cinco anos. A convivência no atelier permitiu às artistas a troca de impressões e o olhar crítico sobre a obra, o processo e as possibilidades estéticas e de expressão de cada uma, que têm diferentes formações.
Com curadoria de Vera Wildner, a mostra traz uma série de nus, produzidos em técnicas mista e acrílico, por Clara Serrano, e os abstratos em acrílico sobre tela de Luzia Fabrício e Vitoria Davoglio.
A exposição permanece aberta para visitação na Galeria La Photo até 05 de novembro, de terça a sexta, das 11h às 19h e sábados das 11h às 15h.



SERVIÇO:
O Quê: Exposição Tríade
Artistas: Clara Serrano, Luzia Fabrício e Vitoria Davoglio
Produção: BIS | Cultura e Comunicação - http://www.biscultura.blogspot.com/
Onde: Galeria e Espaço Cultural La Photo. Travessa da Paz, 44 – Porto Alegre
Quando:       Abertura -  05 de outubro de 2011, a partir das 19h00min
Visitação - de 06/10 a 05/11/11, de terça a sexta, das 11h às 19h e sábados das 11h às 15h
Informações: Galeria La Photo - (51) 3221-6730
Facilidades: Serviço de manobrista no evento de abertura.

sábado, 3 de setembro de 2011

Exposição

EDU MULLER

Em tempos das mais variadas e bem vindas manifestações artísticas, Edu Müller faz de sua pesquisa no desenho um oficio constante, plural e criativo. Artista exigente e meticuloso, experimenta diversos fazeres com relação as suas temáticas e técnicas. Como referente, a figura humana se destaca nas aquarelas, caricaturas e ilustrações. Paralelamente desenvolve uma obra abstrata fortemente enraizada no convívio com a tecnologia. Pode-se afirmar que seu conhecimento artístico deve-se, além de seu talento e formação no Instituto de Artes da UFRGS, a seriedade em que encara a profissão de artista plástico e ilustrador.

Laura Castilhos

Professora do Instituto de

Artes da UFRGS, ilustradora

e artísta plástica.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

















































Formado pelo Instituto de Artes da Ufgrs, o ilustrador Edu Müller, em sua primeira exposição individual, mostra um apanhado de seus trabalhos realizados dentro e fora da academia. A exposição é fortemente marcada pela versatilidade entre as obras, fornecendo uma ampla visão dos resultados adquiridos por alguém que se aventura por diferentes mídias, e toma gosto pelas infindáveis técnicas do desenho e da ilustração.





quinta-feira, 25 de agosto de 2011

segunda-feira, 22 de agosto de 2011



























foto>Kiran F Leon


foto cartaz&PB> Marco A. F.

Quiçá, se fosse...
Na década de 80, Porto Alegre passou por uma explosão criativa de grande importância. Elementos musicais vindos da música campeira gaúcha, dos folclores dos países vizinhos, da MPB e do rock progressivo dos 70, se fundiram na cidade de Porto Alegre através do trabalho de músicos locais e de outros que não eram necessariamente porto-alegrenses, mas que estabeleceram sua “central de operações” nesta cidade.
O movimento se desenvolveu rápido e profundamente e em pouco tempo já se falava de uma MPG (Música Popular Gaúcha). Não era campeira, não era urbana, não era estrangeira, ou era tudo isso e algo mais. Era Gaúcha. Alguma fórmula secreta, que só os músicos de Porto Alegre conheciam, dava às canções uma cor inequivocamente local.
Por algum motivo, cuja explicação não interessa agora, essa MPG começou a perder espaço até que praticamente não se falou mais nela. Claro que os músicos continuaram com seu trabalho, mas o estilo, se não desapareceu, perdeu força.
Em 2011, a história parece querer continuar.
O duo Quiçá, Se Fosse..., resgata aqueles elementos indecifráveis que estavam presentes na MPG e os traz para o presente. Não apresenta uma sonoridade saudosista. É apenas a agradável sensação de que a história nunca se interrompeu, de que uma música e uma poesia genuinamente porto-alegrense e gaúcha está tão viva quanto no seu início e nunca deixou de estar. Róger Wiest e André Paz são dois músicos de sólida formação que transitam livremente por estilos de música diversos e em todos se dão bem. Será isso um dos ingredientes da fórmula secreta da Música Popular Gaúcha?
Dentre as muitas sensações agradáveis que permanecem depois de assistir um concerto do duo, também está a de ter visto dois excelentes profissionais, expressando seus sentimentos com total honestidade e com absoluta eficiência. Eles não estão preocupados com rótulos, mas apenas com dizer o que acham que deve ser dito. Será isso outro dos ingredientes da fórmula secreta da Música Popular Gaúcha?
Eles sabem a fórmula completa, mas receio que não a dizem nem pra si mesmos. Apenas compõem, tocam e cantam.
Desde Porto Alegre, claro.
Sérgio Olivé
Com reflexões sobre identidade artística, baseados na culturação de um mundo contemporâneo, globalizado e bombardeado cada vez mais por diversas influências, os músicos Róger Wiest e André Paz passaram a levantar questões pertinentes ao seu processo criativo: Como criar uma coerência entre as diversas influências culturais que recebemos diariamente? Como adequar esse pensamento artístico de não se reconhecer em um só lugar? Como conceituar dois jovens músicos, gaúchos, brasileiros, que pretendem compor um baião, mas também querem compor uma balada folk, ou quem sabe um cântico com influências orientais? Ao tentar esclarecer essas questões, nasce o “Quiçá Se Fosse”, a idéia de compor canções que têm por objetivo explicar a si mesmas, sem a preocupação de definir um único estilo. Com essa opção os músicos propõem uma maior liberdade e abrangência em sua criação. Ambos estudantes de música, ao entrarem em contato com o mundo acadêmico, Róger e André perceberam que suas questões e dilemas estéticos eram mais pertinentes do que pareciam. Todo artista busca, em si ou no mundo, algo que lhe dê sua “voz autoral”: aquela estética, ou conjunto de características artísticas que o definem como autêntico. Mergulhados em um mundo culturalmente bombardeado, os músicos perceberam que o fato de simpatizarem com variadas estéticas talvez fosse o caminho inicial para desenvolverem a sua própria voz autoral. Ritmos brasileiros, ritmos latino americanos, escalas orientais, instrumentos africanos, internet, cinema, literatura, teatro, e tantas outras fontes culturais serviram de ponto de partida para o processo de composição do material que obedecia somente a um critério: não se comprometer com uma só estética. As músicas selecionadas para este projeto são parte de uma longa caminhada percorrida pelos músicos André e Róger, que há muito vêm praticando a composição de música com letra. Durante todo o processo de criação, essa diversidade esteve ligada de uma maneira tão forte que resultou em um repertório coerente, onde as canções sugerem imagens e ambientações, ora misteriosas, ora divertidas, e onde aquilo que se diz é adequadamente amparado pela estrutura musical. Isso levou esses compositores a fazer uso de diferentes instrumentos, como chocalhos, bombo, udu, ukelele, violão, baixo, vozes, efeitos eletrônicos e acústicos, entre outros. E muitas vezes alguns deles são tocados simultaneamente por um único integrante, agregando um caráter performático às músicas.
www.quicasefosse.blogspot.com

ONDE: LA PhOTO - Travessa da Paz, 44 - Farroupilha>Brique da Redenção

QUANTO: R$ 20,00(inteira) 50% ( master / estudante)

GARANTA JÁ SEU INGRESSO! Tela entrega acima de 3 ingressos.

Reserve e compre seu ingresso pelo e-mail galerialaphoto@gmail.com

LOTAÇÃO: 50 lugares

INFORMAÇÕES > 3221.6730 / 9755.8191/ galerialaphoto@gmail.com

quinta-feira, 18 de agosto de 2011


imagens/Kiran Federico Leon


Depósito de Teatro

UM VERDADEIRO COWBOY

Comemorando os 15 anos do Depósito de Teatro – 1996/2011

Invertendo os papéis: a atriz Liane Venturella assina a direção e o diretor Roberto Oliveira retorna ao palco depois de (coincidentemente) 15 anos dedicando-se exclusivamente à direção. Completando 35 anos de teatro, Roberto foi premiado em várias de suas atuações no cinema (Festival de Lima-Peru; Prêmio José Lewgoy do Cinema Gaúcho) e no teatro (“Decameron”, de Luiz Henrique Palese, Cia. Stravaganza; “O Estranho Senhor Paulo”, de Camilo de Lélis, Face & Carretos).

SINOPSE

UM VERDADEIRO COWBOY é simplesmente irresistível. O texto, construído impecavelmente por Marília Samper, é um drama absurdamente envolvente, que oferece ao público temas como a velhice e a morte, abordados de maneira poética, sensível, cômica e comovente. A peça de Marília alterna entre momentos dramáticos e momentos da mais desbragada e delirante fantasia. Intercala situações absurdas que provocam deliciosos momentos de comicidade, francamente risíveis, e situações carregadas do mais profundo sentimento humano. O espetáculo, dirigido pela premiadíssima Liane Venturella, é todo centrado no trabalho do ator e busca o envolvimento total e a identificação do espectador.

UM VERDADEIRO COWBOY traz ao palco um velho (Roberto Oliveira) que acaba de perder sua esposa e antevê a sua própria solidão e abandono. Sua filha (Elisa Heidrich) aparece algumas vezes para cuidá-lo, evidenciando uma relação altamente conflituosa e problemática (refletindo a rede das relações humanas). Quando o velho se encontra no ápice da sua solidão e lhe parece sobre-humana a dificuldade de continuar vivendo, aparece na sua frente uma figura fantástica: o cowboy John Wayne (Marcelo Johann). Esta possibilidade de escapar pela via da fantasia, traz vida ao velho, e enche a montagem de leveza e comicidade. A peça aborda, de forma tocante e agradável, temas tão difíceis como a velhice e a morte.

FICHA TÉCNICA

UM VERDADEIRO COWBOY

Autora MARÍLIA SAMPER

Diretora LIANE VENTURELLA

ELENCO:

ROBERTO OLIVEIRA – Velho

ELISA HEIDRICH – Filha

MARCELO JOHANN – John Wayne

Figurinos: Liane Venturella

Edição de som e imagem: Álvaro Rosa Costa

Produção: Associação Cultural Depósito do Teatro

APENAS 3 APRESENTAÇÕES! GARANTA JÁ SEU INGRESSO!

SERVIÇO

O QUE: UM VERDADEIRO COWBOY

QUANDO: 19,20 e 21 de agosto. Sexta e sábado às 21h e domingo às 20h

ONDE: LA PhOTO - Travessa da Paz, 44

Bairro Farroupilha-Brique da Redenção

QUANTO: R$ 30,00

APENAS 3 APRESENTAÇÕES! GARANTA JÁ SEU INGRESSO!

INGRESSO ANTECIPADO = R$ 20,00

Reserve e compre seu ingresso pelo e-maildepositodeteatro@gmail.com

LOTAÇÃO: 50 lugares

DURAÇÃO: 1h10’

INFORMAÇÕES:

depositodeteatro@gmail.com

51 30264468/ 51 96228561/ 51 99018008

www.umverdadeirocowboy.blogspot.com

www.depositodeteatro.com.br

sábado, 6 de agosto de 2011








A Performance “de como transportar um ovo na sala de espera”, estréia na galeria e espaço cultural LA PhOTO, com apresentações somente nos dias 11, 12, 13 e 14 de agosto.

Uma performance interdisciplinar que parte da investigação na intersecção entre teatro-dança-literatura-artes visuais. Pesquisa desenvolvida pelas artistas Renata de Lélis (atriz-bailarina) e Fê Luz (poeta visual catarinense), que teve início na Residência Artística do Coletivo de Dança da Sala 209 – Projeto Usina das Artes da Usina do Gasômetro.

O trabalho tem caráter intimista, valorizando as individualidades, por isso a capacidade é de apenas 16 espectadores que recebem envelopes lacrados contendo instruções individuais, os espectadores tornam-se parte da performance de uma forma muito agradável e inesperada.

“de como transportar um ovo na sala de espera” é um percurso; uma linha que discursa sobre o tempo. Percorrendo espaços de passagem, zonas de intensidade entre o corpo, o objeto, o tempo e o espaço, capazes de resignificar sentidos entre presença e ausência, lucidez e ludicidade, silêncio e ruído. Uma metáfora do tempo, da paciência…

Uma realização do Espaço para Fugas – laboratório criativo. Com trilha sonora de Felipe de Paula e video-artes e projeções de Bernardo Viera.

Mais Informações:

www.decomotransportarumovonasaladeespera.wordpress.com

www.galerialaphoto.blogspot.com

Serviço:

Quando: 11 12,13 e 14 de agosto, de Quinta a Domingo.

Horário: 20hs.

Onde: La PhOTO, Travessa da Paz 44.

Quanto: 20R$ (meia para classe artística, estudantes e idosos mediante carteira de identificação)

domingo, 24 de julho de 2011






















Casa Batlló é um dos dois grandes edifícios desenhados por Antoni Gaudí no Passeig de Gracia, Barcelona, sendo o outro La Pedrera.

Do lado de fora a fachada da Casa Batlló parece que foi feita a partir de crânios e ossos.

Gaudi usou cores e formas encontradas na vida marinha como inspiração para sua criatividade neste edifício, por exemplo, as cores escolhidas para a fachada são aqueles encontrados em coral natural.

O edifício foi projetado por Gaudi para Josep Batlló, um rico aristocrata, como uma casa de luxo. Señor Batlló viveu na parte inferior dois andares com a família e os andares superiores eram alugados como apartamentos.

Este edifício é uma obra impressionante e original e vale pena a visita. Se você decidir dar uma olhada dentro de você vai aprender muita atenção aos detalhes